28/04/2015

São Paulo - A maior fabricante de papéis para embalagens do Brasil, Klabin, espera um crescimento de resultados no segundo trimestre sobre o desempenho dos três primeiros meses do ano, com base em aumento de capacidade produtiva direcionado a exportações.

Apesar do ambiente brasileiro de fraqueza na demanda no primeiro trimestre, que está se mantendo, a companhia não está revendo sua política de preços, disse o presidente, Fabio Schvartsman, em teleconferência com analistas.

Segundo Schvartsman, a Klabin deve elevar sua capacidade de produção de papel este ano em 200 mil toneladas e boa parte desse volume deverá ser direcionado a exportações.

A Klabin teve prejuízo líquido de 725 milhões de reais no primeiro trimestre, ante resultado positivo obtido um ano antes, em meio a elevados investimentos em sua primeira fábrica de celulose, que devem somar 3,4 bilhões de reais em 2015.

As units da empresa recuavam 1,16 por cento às 12h07, enquanto o Ibovespa tinha recuo de 0,4 por cento.

"O mercado interno não esta piorando sobre o primeiro trimestre, mas também não tem mostrado sinais de melhora (...). A Klabin tem maior relação com o setor de alimentos, que é notoriamente mais resiliente que os demais", disse Schvartsman, acrescentando que "não temos notado ainda pressão de preços. Estamos operando normalmente, sem termos que abrir mão de nada".